domingo, 1 de julho de 2007

7º Princípio: Tomada de Atitude

Tomada de Atitude a Crise e o Pato!

Hoje resolvi escrever um pouquinho sobre a crise que na Tomada de Atitude.
Conversando com várias pessoas durante este tempo que estou no AE, grande parte delas não Toma Atitude por medo dos reflexos que esta Atitude pode gerar.
E se pararmos para perceber, notaremos que este medo é muito mais por que não sabemos como o outro poderá encarar a nossa Tomada de Atitude.
Ora, novamente estamos pensando no outro e deixamos de pensar no que a não Tomada de Atitude está fazendo com a gente mesmo.
Levamos em consideração o bem estar do outro e não percebemos o quanto estamos sofrendo por aceitar uma situação que não está nos trazendo qualidade de vida.
E aí gente, eu vou ser obrigado a repetir uma frase que gosto muito:
“Somos tão felizes quanto felizes são os nossos relacionamentos”.
E aí, a Tomada de Atitude gera duas crises: uma em mim e outra no outro (ficou esquisito) é para ficar mesmo. Ora, aí sofremos dobrado.
Tomada de Atitude gera uma crise? Claro que gera uma crise. Na verdade a Tomada de Atitude é para gerar uma crise. Só que existe uma grande diferença entre gerar uma crise e sofrer com uma crise.
Até agora você tem sofrido com as crises geradas pelos outros. Ou seja, alguém Toma uma determinada Atitude, visando seu próprio benefício é claro, e você é que “paga o pato”.
Não esqueça: quem gera a crise administra a crise. Se você não está gerando crise.....
E para Tomar Atitude é preciso, antes de qualquer coisa, ter um plano posterior que é o momento da crise.
Vou dar um exemplo:
-Os nossos filhos são craques em gerar crise para lucrarem com ela. Você parou no semáforo e quando está quase abrindo o nosso filho dispara:
-Mãe lembrei que preciso dar uma resposta agora para a aninha sobre a festa que ela vai estar fazendo hoje a noite e eu preciso ligar agora pra ela. Posso ir mãe, posso ir mãe.
Aí você naquela confusão entre dar a resposta e cuidar do sinal que está para abrir, fica perturbada e a filha cobrando:
-mãe preciso ligar, então posso ir, posso ir. Eu vou ta mãe.
E aí você acaba dizendo:
-Vai, vai e não me perturba.
Eu tenho a certeza de que você ainda vai se arrepender de ter dado e resposta naquele momento.
Ora, a tua filha planejou a crise e saiu ganhando com a crise.
O ideal seria responder:
-Se você quer a resposta agora, ela é não. Se você esperar para conversarmos quando chegarmos em casa, aí você vai me dar todos os detalhes de quem vai, como vai ser a festa. Então, vou conversar com o teu Pai e decidiremos se você pode ir ou não.
É preciso sofrer sempre que vamos Tomar uma Atitude? Não.
Acontece é que queremos que o outro mude com a nossa Tomada de Atitude, quando na verdade, teria que ser o contrario.
A Tomada de Atitude é para nós mesmos.
Eu vou Tomar uma Atitude porque esta situação está me causando sofrimento e eu estou deixando de ser eu para ser o que o outro quer que eu seja.
Eu estou Tomando uma Atitude para mudar a mim mesmo. Sou eu que preciso mudar.
E é esta linha de pensamento que preciso ter frente à Tomada de Atitude.
E os seis primeiros princípios do AE nos preparam para a Tomada de Atitude.
Chega de “pagar o pato”. E o pior é que pagamos por ele e não temos o direito de saboreá-lo.
Acredito que o medo da crise é pelo fato que você está acostumada a sofrer as conseqüências das crises.
Pense no pato.
Aliás, eu aconselho a ter sempre um pato em casa. Pode ser de porcelana, vidro, madeira, ou qualquer outro material.
Quem sabe assim, todas as vezes que olharmos para o pato vamos lembrar de que precisamos Tomar Atitude.
Pato e Tomada de Atitude: Tudo a ver. Hehehehehe!!

Desculpe a brincadeira amigos de caminhada.

Um grande e fraterno abraço.

3 comentários:

Clauber disse...

Sérgio
Parabéns por seus textos! São mesmo uma benção para todos que buscam e necessitam de auxilio. Meu grupo se alegra cada vez que levo alguma novidade do seu blog!
Abraço Kau

Anônimo disse...

Parabéns! Gostei, sem contar que pagamos mais caro no pato quando temos a atidude de nao tomar nenhuma atitude...
Sim, porque se nós decidimos por nao tomar atitude, a atitude tomada está...é que decidimos nao tomar atitude... Aí é que o pato fica caro... ou entao : é aí que a porca torce o rabo...

Anônimo disse...

Sérgio,
O uso figurativo do pato foi muito bem assimilado pelo grupo, na nossa reunião de Amor-Exigente.
Grande parte das pessoas saiu fazendo "quá,quá..."
No mês de agosto do ano passado, para falar sobre a Crise, levei o seu texto com a almofada e a caixa de remédio. Já pediram para eu levar novamente.
Sua abordagem prática e engraçada contribui muito para a compreensão do assunto.
Por favor, continue escrevendo e que Deus te ilumine.
Um abraço,
Jozi